Aninha e o Príncipe

Era uma vez uma moça muito bonita, que se chamava Aninha; era tão bonita, que a fama de sua beleza se espalhara por toda parte. Todos os rapazes que a viam se apaixonavam por ela, inclusive um príncipe, filho de um rei poderoso, que tinha muitas terras, muitos vassalos, muitas riquezas.

Aninha, porém, era filha de camponeses, que por serem pobres, não queriam dar a filha em casamento a um príncipe. Este, então, resolveu roubar a moça para se casar e um dia, fingindo-se cego e mendigo, foi pedir esmola em casa dos pais de Aninha, assim cantando:

I.
O Cego – Eu vos salvo e peço
Uma esmola, Aninha.
Pelo amor de Deus,
Me ensine o caminho.

II.
O Pai – Se ele chora e pede,
Dê-lhe pão e vinho.
Diga a Aninha
Que lhe ensine o caminho.

III.
O Cego – Eu não quero pão,
Eu não quero vinho.
Eu só quero Aninha
Que me ensine o caminho. 

Então, Aninha vai guiando o cego pela estrada afora; a certa altura do caminho, e já estando a anoitecer, a moça canta, e o cego responde:

IV. 
Passe pra adiante, cego.
C - Passe pra adiante, Aninha.
A - Passe pra adiante, cego,
Siga o seu caminho. 

V.
A - Passe pra adiante, cego.
C - Passe pra adiante, Aninha.
Eu sou um pobre cego,
Não enxergo o caminho. 

O cego insiste em não passar adiante, e Aninha continua a cantar:

VI.
Já larguei a roca
Já larguei meu linho.
Passe pra adiante, cego,
Siga o seu caminho. 

O cego continua sempre atrás de Aninha. Chegados a uma curva do caminho, encontram os vassalos do Rei com uma carruagem toda dourada, esperando por eles. Agarram Aninha, e botam-na dentro da carruagem; no mesmo momento, o Príncipe tira as vestes de mendigo e canta:

VII.
Se me fiz de cego,
Foi porque queria.
Sou filho do Rei,
Tenho bizarria. 

Quando a carruagem começa a nadar, Aninha chorando canta:

VIII.
Adeus minhas casas,
Adeus minhas moças,
Digam a mamãe
Que me vou a força. 

O Príncipe e seus vassalos levaram Aninha para o Castelo do Rei, pai do Príncipe, o qual já estava preparado para o casamento. Havia muitas flores, muitos doces, muitos convidados. Eles se casaram, e foram muito felizes. E o que foi de vidro quebrou-se, o que foi de papel molhou-se, e entrou por uma porta, saiu pela outra, o Rei Meu Senhor que lhe conte outra.

Você Sabia?

Histórias portuguesas em geral falam da comunidade, dos costumes, da escala de valores e da ética e também dos costumes e da organização do saber da sociedade.

Fale Conosco:
Envie uma mensagem AQUI

Ligue:

71-99301-1000

  • youtube
  • facebook
  • instagram

CONHEÇA MAIS UM POUCO DAS NOSSAS REDES SOCIAIS